O Portal Jack Comunica não se responsabiliza pelos conteúdos publicados pelos nossos colunistas.

Alerta vermelho para vacinas: roubos, atrasos, validade e estragos

Roubos, falhas mecânicas, atraso de distribuição, perda de mercadoria, localização de insumos, falta de comunicação, vacinas estragadas, entre outros. Como será possível prever tudo isso? Essa é a pergunta que não deve ser feita, pois já é possível prevenir esses e outros episódios de uma tragédia que é anunciada. Daniel Schnaider, especialista em gestão de risco em logística, fez um panorama que agrega todos esses percalços e afirma: a solução está na IoT.

Até o fim da segunda-feira (18), o governo já havia gastado 59,4 milhões para importação de 2 milhões de doses. A carga é extremamente valiosa. Se o crime organizado, no ano passado, roubou testes, luvas, máscaras e outro insumos e venderiam pelo valor de 3 milhões, uma carga no valor das vacinas, com certeza, estará no radar dos bandidos.

Outro ponto a ser ressaltado são as metas de entrega e aplicação. Processos lentos podem colocar em risco todo o esquema de imunização. No momento, incorporadas ao Plano Nacional de Imunização para distribuição nacional, toda a produção do Instituto Butantan continua a depender de tecnologias provenientes do mercado da logística. Diante disso, Schnaider mostra algumas soluções que certamente são necessárias neste processo:

Segurança: no ano de 2020, foram desde roubos de respiradores a um roubo de 50 mil mascaras hospitalares. As vacinas serão as cargas mais valiosas que o Brasil vai transportar nos últimos anos. A segurança e interceptação de um possível roubo, não é só economia, são vidas salvas gratuitamente. Com um hub instalado no caminhão ou na carreta é possível realizar a gestão da frota e acionar a parada do veículo, caso seja necessário.

Localização: este fator pode mudar tudo nesta logística. Identificar onde a carga está pode ajudar na segurança e mobilidade dos ativos. Dispositivos coletam dados em tempo real para informar o responsável por onde aquela carga passou, onde ela está e para onde se locomove.

Fatores externos: luminosidade, impacto, temperatura, umidade e vibração. Todos esses fatores são extremamente importantes para o manejo correto das vacinas, uma vez que, por exemplo, se uma trepidação intensa acontece, pode quebrar a cadeia molecular do medicamento e contribuir para que sua eficácia seja perdida.

Compliance: soluções com câmeras e inteligência artificial conseguem mensurar se a conduta do motorista no comando do veículo pode vir a comprometer a carga. Desde alta velocidade em lombadas, freadas bruscas e colisões.

Com essas ferramentas é possível identificar com exatidão quem comprometeu o ativo. Por exemplo, se o problema aconteceu no hospital, durante o transporte, no voo ou no próprio laboratório. Assim, é possível atuar com um plano corretivo ou preventivo para minimizar prejuízos e se manter comprometido a segurança e metas.

Daniel Schnaider: CEO da Pointer by Powerfleet Brasil, líder mundial em soluções de IoT para redução de custo, prevenção de acidentes e roubos em frotas. Integrou a Unidade Global de Tecnologia da IBM e a 8200 unidade de Inteligência Israelense. Especialista em logística, tecnologias disruptivas, economista e autor da obra “Pense com calma, aja rápido”.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *